Agronegócios
24/01/2019 11:30

Rally da safra: extremo oeste do PR tem perda na soja; oeste aposta em lavoura tardia


Cascavel, 24/01/2019 - O oeste e o extremo oeste do Paraná registraram perdas na soja precoce, mas a perspectiva para o resultado total da safra 2018/19 era diferente nas duas áreas, afirmaram produtores à Equipe 2 do Rally da Safra, que o Broadcast Agro acompanha. Enquanto no extremo oeste a perspectiva de quebra de safra era maior, chegando à metade da produção esperada em alguns municípios, no oeste paranaense produtores ainda buscavam na soja plantada mais tarde, em outubro, uma recuperação do resultado do ano. Em alguns casos, agricultores projetam que é possível igualar ou até ultrapassar a produtividade média da safra anterior.

Em Marechal Rondon, no extremo oeste, o excesso de calor aliado à falta de chuva causou fortes prejuízos, principalmente para quem plantou ainda na primeira metade de setembro. O presidente da cooperativa Copagril, Ricardo Chapla, estimou perdas de 50% a 60% da safra. "Esta foi a safra em que plantamos mais cedo. E dezembro foi cruel, não tanto pela falta de chuva, mas pelo calor", disse. "Calor sempre temos aqui, mas o deste ano foi fora do normal." Segundo ele, há produtores que colheram 10 a 15 sacas por hectare, enquanto outros devem obter produtividades na faixa de 50 sacas por hectare. "Quem plantou no início de outubro deve colher mais." Como muitos produtores da região diversificam com avicultura, suinocultura e produção de leite, contam com essas atividades para contrabalançar o resultado ruim na soja. "Tivemos cinco a seis anos-safras regulares a bons e neste ano sofremos." A Copagril tem área plantada de 50 mil hectares entre Paraná e Mato Grosso do Sul, sendo 98% soja e 2% milho no verão. A produtividade média da soja dos cooperados deve fechar entre 27 a 29 sacas por hectare, ante 59 sacas por hectare no ano passado. Na microrregião de Marechal Cândido Rondon, 80% da safra está colhida, e os trabalhos devem terminar até 15 de fevereiro.

O produtor Eno Pedde, de Marechal Cândido Rondon, ressaltou que o período do veranico surpreendeu o setor produtivo da região. "Em janeiro já tivemos tropeços mais bruscos do que esse, já estávamos vacinados. Mas neste ano veio em dezembro e pegou todo mundo de surpresa." Ele plantou 230 hectares de soja, mesma área do ano passado. Nas primeiras áreas, colheu 35 a 39 sacas por hectare, mas a expectativa é de um resultado melhor para os pontos cultivados mais tarde, que podem chegar a 54 sacas por hectare. A expectativa é colher uma média de 43 e 45 sacas por hectare, ante 69 sacas por hectare no ano passado. Nessa safra, as áreas com arrendamento não vão dar lucro, segundo ele. "Com a safrinha, a expectativa é recuperar isso", destacou. Entretanto, ele relatou ter aproveitado quando a soja estava com preço mais alto para negociar a produção - 60% da safra soja foi vendia a R$ 78 a R$ 80 a saca e hoje a saca é cotada a R$ 67 na região.


Soja: Calor extremo persiste em janeiro e prejudica lavoura no extremo oeste do PR
Safrinha: área colhida de soja no oeste paranaense recebe sementes de milho Fotos: Leticia Pakulski/Estadão

Em Corbélia, no oeste paranaense, as quebras eram menores e a expectativa era melhorar a produtividade no decorrer da colheita. "Essa primeira soja, mais precoce, sofreu muito por causa das chuvas irregulares, ficou 20 dias sem chuvas em novembro. Depois começou a chover em algumas regiões, mas chove num pedaço da fazenda do produtor e no outro já não chove. As altas temperaturas também foram um agravante", disse o gerente da filial de Corbélia da Coopavel, Roberto Painelli, visitada pelo Broadcast Agro durante o Rally da Safra. "A produtividade inicial está muito baixa, em torno de 29 a 33 sacas por hectare. A soja mais tardia, que vai ser colhida dentro de 20 a 30 dias, ainda tem que ser avaliada", disse. Como choveu o suficiente já em setembro, e a região é forte em safrinha de milho, muita soja foi plantada até no máximo 20 de setembro, segundo ele, o que fez com que várias lavouras estivessem em fases críticas quando faltou chuva. Na região de Corbélia, os associados da Coopavel têm 38 mil hectares de soja plantados, mesma área do ciclo anterior. Segundo ele, ainda é cedo para falar em quanto deve fechar a média, porque 15% a 20% foram colhidos e o número vai depender da produção da soja de ciclo mais longo. "A produtividade de soja deve aumentar em relação às primeiras áreas colhidas."

O agricultor Edalírio Antônio Kissner produz em duas áreas, em Corbélia e Cascavel. O plantio foi feito cedo - se no ano passado começou em 16 de setembro, neste ano foi no dia 12 de setembro. "A expectativa para a soja precoce é um pouco baixa em termos de produção, primeiro pelo frio na época do plantio, depois por estiagem, mas acho que a soja de ciclo médio e longo devem ter bom resultado", disse. Ele planta 436 hectares de soja em Corbélia e 416 hectares em Cascavel. Para este ano, projeta média de 58 sacas por hectare, acima dos 49 sacas por hectare do ano passado. Ainda assim, na soja, a margem deve ficar apertada por causa do custo de produção e arrendamento, segundo o produtor. Ele relatou, entretanto, que 60% a 70% da produção está travada, em trocas, contratos ou pagamento para dívidas de área arrendada. Foi possível aproveitar preço na faixa de R$ 80 a saca. "Para quem não fez, agora vai demorar para chegar nos R$ 80 a saca de novo."

Sandro Hul, de Corbélia, plantou mais tarde e não foi tão prejudicado pelas adversidades climáticas. "Foram 20 dias de seca, mas na minha área não chegou a prejudicar tanto porque o meu plantio foi mais tardio. Aqui na região, o plantio foi muito antecipado, e eu iniciei o plantio em 25 de setembro, então não chegou a prejudicar tanto." Ele plantou 200 hectares com a oleaginosa, 30 hectares a menos do que no ano passado, para fins de rotação de culturas com o milho verão. Começa a colher na semana que vem. "Visualmente, a soja aparenta ser melhor do que no ano passado", disse. "No ano passado, teve muita chuva em dezembro e acabamos perdendo produtividade." A expectativa era superar os 55 sacas/hectare de média do ciclo anterior. "Mas as áreas já colhidas na região estão bem abaixo disso."

A região de Braganey também foi prejudicada pelo clima quente e seco, comentou Rafael Krohling, agrônomo do Sítio Santa Inês. As áreas plantadas primeiro, entre 10 e 12 de setembro, foram as que mais sofreram. "As áreas plantadas em outubro estão o oposto, melhoraram muito com a volta das chuvas em dezembro", disse. Já foram colhidos 40% da área plantada, de 290 hectares, a mesma do ano passado. A perspectiva era obter 78 sacas por hectare na soja que deve ser colhida dentro de duas semanas, enquanto na soja precoce foi possível registrar 60 sacas por hectare. A propriedade projeta média de 68 a 70 sacas por hectare neste ano, ante 64 sacas por hectare no ciclo anterior.
(Leticia Pakulski* - leticia.pakulski@estadao.com)

*A jornalista viaja a convite do Rally da Safra
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos