Agronegócios
24/01/2019 12:25

CBOT: grãos devem abrir em queda com aversão a ativos de risco


São Paulo, 23/01/2019 - Os contratos futuros de grãos devem começar a sessão desta quinta-feira no campo negativo na Bolsa de Chicago (CBOT). As cotações dos grãos tendem a refletir o mau humor do mercado acionário em virtude de dados que apontam para a desaceleração da economia global. Outro dado que contribui para esse cenário pessimista é índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro, divulgado nesta manhã, que caiu ao menor nível em mais de cinco anos. Além disso, o dólar apresenta valorização ante moedas no exterior, que torna as commodities cotadas na divisa norte-americana menos atraentes para investidores estrangeiros.

Entretanto, o mercado de grãos permanece sem direcionamento próprio, com ausência de sinais que impliquem precificação, em virtude da paralisação parcial do governo norte-americano, desde 22 de dezembro de 2018.

Na soja, traders continuam à espera de sinais concretos na negociação entre Estados Unidos e China. No início desta manhã, o Ministério de Comércio da China disse que recentes relatos de que Washington teria cancelado discussões comerciais com Pequim esta semana não são verdadeiros. O porta-voz do ministério, Gao Feng, também confirmou que o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, visitará os Estados Unidos nos próximos dias 30 e 31 para retomar negociações comerciais com os americanos. "No momento, os dois lados estão acelerando conversas sobre os preparativos e mantendo contato próximo", disse Gao. Outro fator-chave que detém as atenções dos investidores neste pregão é a condição climática na América do Sul, que influencia principalmente as colheitas de Argentina e Brasil.

Quanto ao milho, o relatório semanal produção de etanol nos EUA, a serem divulgados às 13h30 tendem a direcionar as cotações do cereal. Esses dados são importante indicador da demanda interna pelo cereal norte-americana. Nos EUA, é feito principalmente com milho, cerca de um terço do cereal é destinado à produção do biocombustível. O desempenho do petróleo também movimentará as especulações do cereal, porque influencia a competitividade relativa do etanol.

No trigo, a demanda russa do cereal e o clima na região do Mar Negro concentram a atenção dos investidores.

No overnight, o vencimento março da soja caiu 1,75 cent (0,19%), a US$ 9,1325 por bushel. O milho para março recuou 0,50 cent (0,13%), a US$ 3,7850 por bushel, enquanto igual vencimento do trigo perdeu 0,50 cent (0,10%), a US$ 5,2550 por bushel. (Isadora Duarte, isadora.duarte@estadao.com, com informações da Dow Jones Newswires)
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos