Política
06/04/2021 10:17

Partido Novo pede ao STF suspensão de emendas de bancada sem carimbo no Orçamento 2021


Por Camila Turtelli e Daniel Weterman

Brasília, 05/04/2021 - O partido Novo acionou a Justiça para barrar a possibilidade de o Congresso emplacar emendas de bancada "sem carimbo" no Orçamento deste ano. A legenda ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal para suspender trechos da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Para a legenda, o trecho em questão abre margem para uso político e eleitoral das emendas de bancada. O dispositivo permite que emendas de bancada sigam na modalidade de transferências especiais, com envio direto de recursos para os entes federados, dando carta branca para os governadores e prefeitos aplicarem as verbas como bem entenderem.

No Orçamento deste ano, as bancadas estaduais não indicaram nenhuma emenda sem carimbo, mas a mudança da regra abre caminho para os grupos pedirem alteração dessa indicação ao longo do ano. "Estamos falando de R$ 240 milhões para cada uma das 27 bancadas que poderão ser utilizados livremente, sem uma prestação de contas. Pode ser menos burocrático, mas é falta de transparência com o dinheiro do pagador de impostos", disse o líder do Novo na Câmara, Vinícius Poit (SP).

Como o Broadcast Político mostrou, deputados e senadores indicaram quase R$ 2 bilhões em emendas parlamentares - individuais, autorizadas pela Constituição - para repasse direto a Estados e municípios neste ano, sem intermediação dos ministérios nem pente-fino do Tribunal de Contas da União (TCU). O volume das chamadas emendas sem carimbo é três vezes maior do que o indicado em 2020, quando foram pagas pela primeira vez. Essa fatia, porém, não é alvo da ação no STF.

Com a transferência direta, prefeitos e governadores podem usar o recurso em qualquer área, sem prestar contas no momento do repasse, diferentemente do que ocorre com outros tipos de emendas, carimbadas para projetos específicos. A fiscalização das transferências especiais caberá aos tribunais locais

O Orçamento 2021 tem sido alvo de controvérsias e deve passar por alterações até a sanção. Auxiliares do presidente Jair Bolsonaro veem risco de ele ser impedido de disputar a reeleição, caso as contas deste ano do governo sejam reprovadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), como mostrou o Estadão. A avaliação tem como base o Orçamento aprovado na semana passada pelo Congresso Nacional, marcado por manobras contábeis para subestimar despesas obrigatórias e aumentar emendas parlamentares, e que depende agora de sanção do presidente.

Contato: camila.turtelli@estadao.com; daniel.weterman@estadao.com

Para saber mais sobre o Broadcast Político, entre em contato com comercial.ae@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2021 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos