Política
12/05/2022 16:00

Após 'caso Pazuello', Joice apresenta projeto que retoma dispositivo da Lei de Improbidade


Por Iander Porcella

Brasília, 12/05/2022 - Após o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello escapar de ser condenado em uma ação que busca o responsabilizar pela crise de falta de oxigênio hospitalar no Amazonas, durante a pandemia de covid-19, a deputada Joice Hasselmann (PSDB-SP) decidiu apresentar projeto de lei para retomar dispositivos da Lei de Improbidade, alterada pelo Congresso no ano passado.

A proposta da parlamentar prevê punição para agentes públicos que retardarem ou deixarem de praticar atos de ofício, justamente a acusação que foi feita contra Pazuello. No texto do projeto, Joice chama a regra que livrou o general da punição de "Lei da Impunidade".

"O Congresso alterou a Lei de Improbidade e na prática tornou ineficaz sua aplicabilidade. Revogar essa manobra vergonhosa do Congresso, em conivência com o presidente da República, é urgente para que tenhamos o enfrentamento à corrupção, de ação e omissão de agentes públicos", diz a deputada.

Nesta terça-feira, 10, a Justiça Federal rejeitou a ação movida contra Pazuello no episódio da falta de oxigênio no Amazonas, no auge da pandemia, quando ele era ministro. A decisão também beneficiou o secretário de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde, Helio Angotti, e sua antecessora no cargo, a médica Mayra Pinheiro, conhecida como "capitã cloroquina" por defender, assim como Bolsonaro, o tratamento precoce para covid-19 com o remédio comprovadamente ineficaz contra a doença.

Com a mudança feita pelo Legislativo na Lei de Improbidade, é exigido que fique provado o dolo, ou seja, a intenção ou vontade explícita do agente público de cometer irregularidades para que haja uma condenação. "Foi um assassinato coletivo em Manaus por responsabilidade de Pazuello", afirma Joice, ao comentar o caso do ex-ministro da Saúde.

"Constitui ato de improbidade administrativa, que atenta contra os princípios da administração pública, qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente: retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício", diz o trecho do projeto da deputada que retoma esse dispositivo da antiga Lei de Improbidade.

Durante a 23ª Marcha a Brasília em defesa dos municípios, realizada em Brasília no dia 26 de abril, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defenderam as mudanças na Lei de Improbidade. As alterações também foram comemoradas, no ato, pelo presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski.

"O que eu espero muito, como presidente do Senado e do Congresso Nacional, é que o Poder Judiciário e o Ministério Público do Brasil possam assimilar essa vontade popular externada na modificação legislativa e faça prevalecer aquilo que o povo brasileiro, através do Congresso Nacional, decidiu em relação à lei de improbidade administrativa em nosso País", disse Pacheco, na ocasião.

Contato: iander.porcella@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

MAIS NOTÍCIAS

Política
12/05/2022 12:39
Maílson: Privatização/Petrobras colocará contra governo a esquerda, parte/direita e militares
Política
12/05/2022 12:39
Maílson: Bolsonaro só está sendo a favor da privatização por questão eleitoral, não racional
Política
12/05/2022 12:39
Maílson: Congresso reflete sociedade, que não aprova privatização
Política
12/05/2022 12:38
Maílson: Privatização de empresa desse porte não acontece em menos de 3 anos
Política
12/05/2022 12:38
Maílson sobre Petrobras: ideia [de privatizar] é correta, mas não tem viabilidade

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Siga nossas redes: