Agronegócios
03/09/2020 10:52

Grãos/Commerzbank: demanda aquecida da China impulsiona preços na bolsa de Chicago


Por Julliana Martins

São Paulo, 03/09/2020 - A retomada na demanda chinesa por soja, após a primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e o país asiático, está contribuindo para recuperar as cotações do grão na Bolsa de Chicago (CBOT), depois de um tombo nos preços no ano passado. A avaliação é da analista do Commerzbank, Michaela Kühl, em comentário diário enviado a clientes nesta quarta-feira. A China voltou a realizar pedidos de soja dos EUA ontem e o mercado espera ver novas compras hoje, em relatório semanal de exportações que será publicado logo mais pelo Departamento de Agricultura do país (USDA, na sigla em inglês). O vencimento novembro da soja BA CBOT subiu ontem 7,25 cents (0,76%), para US$ 9,62 por bushel.

A analista do banco alemão observa que a China vem encomendando volumes robustos não apenas de soja. "Os pedidos da China de carne de suíno, frango e milho dos EUA - em uma base cumulativa ao longo do ano - agora atingiram o nível mais alto de todos os tempos", afirma ela. Michaela destaca também que o país asiático se tornou um dos principais compradores do mercado de grãos norte-americano, após ter seguido por muito tempo uma política de autossuficiência em grãos. "Essa política agora foi flexibilizada e a produção não está acompanhando a demanda", disse no relatório.

Na avaliação do banco, a China vem enfrentando uma série de aumentos nos preços internos do setor de alimentos. A peste suína africana, que dizimou o rebanho de suínos do país, por exemplo, levou a preços recordes de carne suína e de milho. A perspectiva para a temporada 2020/21 é de que a China importe quantidades "anormalmente grandes" de milho e reduza ainda mais os seus estoques, de acordo com a analista.

contato: julliana.martins@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2021 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos