PR Newswire Brasil
19/05/2020 16:49

O papel vital do Instituto Wuhan de Virologia no combate à COVID-19


O papel vital do Instituto Wuhan de Virologia no combate à COVID-19

PR Newswire


PEQUIM, 19 de maio de 2020 /PRNewswire/ -- Desde o início do surto da COVID-19, pesquisadores do Instituto Wuhan de Virologia (Wuhan Institute of Virology, WIV) da Academia Chinesa de Ciências (Chinese Academy of Science, CAS) vêm trabalhando na linha de frente, conduzindo uma série de tarefas de P&D para prevenir e controlar a pandemia. Ainda assim, rumores circulando pela internet se espalharam pelo mundo, alegando que o novo coronavírus foi sintetizado, e que a pandemia foi causada por um vazamento de laboratório.


A fim de apresentar uma visão abrangente do trabalho sobre prevenção e controle da pandemia sendo feito pelos pesquisadores do WIV e compartilhar suas experiências de linha de frente com o mundo, o jornal Science and Technology Daily fez uma entrevista exclusiva com Yuan Zhiming, presidente da filial da CAS de Wuhan e diretor do Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan, e Guan Wuxiang, vice-diretor geral do WIV.


Trabalhando na situação desde 30 de dezembro de 2019


Science and Technology Daily: quando o WIV começou seu trabalho de pesquisa e desenvolvimento associado à COVID-19? Qual foi a primeira tarefa que você recebeu?


Guan Wuxiang: os esforços do WIV nesse sentido começaram no dia 30 de dezembro de 2019. Ao receber amostras de uma "pneumonia desconhecida" do Hospital Wuhan Jinyintan, organizamos nossos principais especialistas na área para fazer a detecção e identificação de patógenos da noite para o dia e relatamos prontamente as descobertas às autoridades relevantes.


Science and Technology Daily: que tarefas de P&D foram executadas pelo WIV em relação à prevenção e controle da pandemia desde o início do surto da COVID-19? Como essas tarefas progrediram?


Guan Wuxiang: desde o início do surto, o WIV fez vários trabalhos de P&D de maneira organizada. Entre eles, isolar e identificar o vírus, identificar patógenos, desenvolver drogas e vacinas antivirais, avaliar os níveis de titulação de anticorpos neutralizantes no plasma de pacientes recuperados, estabelecer modelos baseados em animais e pesquisar mecanismos patogênicos. O progresso feito nessas áreas forneceu apoio científico e tecnológico à linha de frente da prevenção e controle da pandemia.


O WIV alcançou uma série de avanços em termos de isolamento e identificação do vírus. Sequenciou todo o genoma do vírus, isolou sua cepa, identificou-o como um novo coronavírus e concluiu sua criopreservação padronizada. No dia 11 de janeiro, como um dos institutos designados da Comissão Nacional de Saúde, o WIV enviou a sequência do vírus à Organização Mundial da Saúde.


Em termos de detecção do vírus da COVID-19, o WIV organizou rapidamente seus esforços de P&D para desenvolver testes de ácido nucleico e tecnologias de detecção sorológica. Os kits de teste de ácido nucleico para a COVID-19, desenvolvidos em conjunto pelo WIV e a Uni-medica, estão atualmente sob aprovação de emergência da Administração Nacional de Produtos Médicos (National Medical Products Administration, NMPA). O WIV também trabalhou com a Zhuhai Livzon Diagnostics para desenvolver um kit de teste sorológico para a COVID-19, aprovado pela NMPA no dia 14 de março, e certificado para uso médico. Por ser um instituto designado pela cidade de Wuhan, o WIV participou da tarefa de detectar o patógeno da COVID-19. Mais de 6.500 amostras bucais de casos suspeitos da COVID-19 foram testadas pelo WIV desde 26 de janeiro.


O WIV também trabalhou com o Centro Nacional de Pesquisa em Engenharia de Medicamentos de Prevenção e Controle de Emergência do Instituto de Medicina Militar da Academia de Ciências Militares para selecionar e avaliar medicamentos comercializados, medicamentos clínicos e candidatos a medicamentos. Descobrimos que o fosfato de cloroquina e o favipiravir mostraram efeitos antivirais bastante positivos contra o novo coronavírus em nível celular. Outros medicamentos também foram selecionados e estão sendo avaliados. Enquanto isso, o WIV vem trabalhando com o Grupo Nacional de Biotec da China (China National Biotec Group, CNBG) do Grupo Farmacêutico Nacional da China (China National Pharmaceutical Group, Sinopharm) para pesquisar e desenvolver uma vacina inativada de vírus inteiros. A vacina foi aprovada pelo NMPA para estudos clínicos no dia 12 de abril.


Além disso, o WIV e o CNBG também avaliaram os níveis de titulação de anticorpos neutralizantes no plasma de pacientes em recuperação. Descobrimos que a titulação de anticorpos atingiram 1:640. Após mais avaliações, as organizações envolvidas fizeram estudos clínicos de acordo com os procedimentos relevantes.


Quanto ao estabelecimento de modelos animais, o WIV concluiu a modelagem da COVID-19 em macacos rhesus. Avaliada por especialistas coordenados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, o modelo foi considerado bem-sucedido, podendo ser usado para conduzir pesquisas sobre os mecanismos patogênicos e a disseminação da COVID-19, o que fornece uma plataforma significativa para avaliar vacinas e medicamentos para o novo coronavírus.


Science and Technology Daily: sendo um instituto especializado no estudo de vírus, como a sua experiência anterior em pesquisas de vírus ajudou na luta contra o surto da COVID-19?


Guan Wuxiang: em 2003, o WIV iniciou a construção do Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan após a epidemia de SARS. O Instituto concentra-se na pesquisa de vírus, especialmente naqueles altamente patogênicos. Fizemos pesquisas básicas e desenvolvemos tecnologias de prevenção e controle para vários vírus, que lançaram as bases para enfrentar surtos de novas doenças infecciosas.


Em especial, a equipe de pesquisa do Instituto estuda os coronavírus há mais de uma década. O local está equipado com técnicas gerais de teste de ácido nucleico para coronavírus, métodos comumente usados para detectar ácido nucleico e anticorpos de coronavírus semelhantes à SARS e métodos de isolamento e cultivo de vírus. Todos eles tiveram papel importante na identificação de patógenos durante o estágio inicial do surto da COVID-19.


Science and Technology Daily: considerando os anos de experiência do Instituto na pesquisa do coronavírus, é possível prever novos surtos?


Guan Wuxiang: desde o surto de SARS, em 2003, a China melhorou seu sistema de vigilância de doenças infecciosas e fortaleceu ainda mais sua capacidade de prevenção e controle de doenças infecciosas por meio de projetos especiais de apoio à pesquisa de doenças infecciosas graves. O sistema existente está voltado principalmente para a vigilância e o alerta precoce de doenças infecciosas. Hoje, não é possível prever surtos ativamente.


A previsão de surtos de vírus e pandemias é uma tarefa difícil no mundo todo. O ser humano não está plenamente ciente de todos os vírus existentes na natureza e de seus padrões de ocorrência, desenvolvimento, disseminação e patogênese. Para evoluir do nível atual de alertas passivos para o nível de previsão ativa, é necessário um grupo de pesquisadores detalhistas para continuar a pesquisa básica e o desenvolvimento tecnológico. Monitorar e investigar vírus encontrados em animais selvagens no longo prazo é uma tarefa importante no monitoramento de possíveis doenças infecciosas. 


Equipes de pesquisa e desenvolvimento bem organizadas


Science and Technology Daily: atualmente, quantas equipes do WIV estão fazendo pesquisas científicas sobre a COVID-19? O que exatamente eles estão fazendo?


Guan Wuxiang: de acordo com o desenvolvimento da epidemia e as tarefas que estão em execução, o Instituto coordenou mais de 120 pesquisadores especializados de diferentes subáreas em 12 equipes de pesquisa científica. Eles são os principais responsáveis pela condução de testes patogênicos, monitoramento de vírus, controle de medicamentos e outros trabalhos. Além disso, mais de 40 pessoas de seis equipes de apoio foram organizadas para auxiliar o trabalho de pesquisa científica. O banco de dados nacional de recursos de vírus é responsável pela coleta e padronização de amostras do vírus da COVID-19; o laboratório de biossegurança de nível 3 (BSL-3) e o de nível 4 (BSL-4) são os principais responsáveis pelo funcionamento normal dos laboratórios e pela garantia da segurança dos pesquisadores científicos. Enquanto isso, o centro de análise e teste e o centro experimental de animais são responsáveis pela análise e pelo teste de grandes instrumentos e pela proteção da segurança dos animais de laboratório, respectivamente.


Science and Technology Daily: como é um dia de trabalho típico dos pesquisadores científicos?


Guan Wuxiang: desde o início do surto da COVID-19, os pesquisadores do WIV vêm lutando na linha de frente contra a epidemia. Eles se voluntariaram para renunciar ao feriado do Festival da Primavera, superaram todos os tipos de dificuldades pessoais e se dedicaram à pesquisa da COVID-19.


Os pesquisadores do laboratório trabalham em turnos com duração de cerca de cinco a seis horas, durante os quais não podem comer, beber nem ir ao banheiro. Levando em consideração o tempo gasto na preparação e no processamento de dados, eles trabalham em média de 10 a 12 horas por dia. Para utilizar com eficiência o mecanismo de pesquisa, várias equipes se revezam para entrar nos laboratórios BSL-3, no Parque Científico de Xiaohongshan e Zhengdian, para conduzir pesquisas. A equipe responsável pela detecção de patógenos, que tem um grande número de amostras para trabalhar, é dividida em dois grupos que se revezam para trabalhar nos laboratórios BSL-3 e BSL-2.


Ao saber que a nossa equipe de detecção de patógenos da COVID-19 não tinha pesquisadores suficientes para fazer a detecção de tantas amostras, muitos jovens do Instituto se voluntariaram para participar de testes de patógenos.


Contribuição e realizações do laboratório BSL-4


Science and Technology Daily: o senhor poderia destacar as principais descobertas e progressos feitos pelo laboratório BSL-4 em termos de avanço científico e de pesquisa?


Yuan Zhiming: o laboratório BSL-4 é, na verdade, uma subsidiária do Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan. Além disso, existem também dois laboratórios BSL-3, vários BSL-2 afiliados ao WIV, vários laboratórios comuns, além de instalações e equipamentos de apoio para testes em animais. Os laboratórios e institutos mencionados acima constituem uma plataforma de cluster para salvaguardar a biossegurança.


Depois de receber amostras de um vírus de pneumonia não identificado e isolar com sucesso o novo patógeno do coronavírus, o Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan solicitou uma série de autorizações que, mais tarde, lhe permitiram cultivar células patogênicas da COVID-19 e testá-las em roedores infectados e animais não primatas. Além disso, o comitê de supervisão de ética em pesquisa científica do laboratório e seu órgão de gerenciamento de testes em animais garantiram o bem-estar de todos os animais usados nos estudos, gerenciando, observando e verificando todo o processo antes de aprovar.


Portanto, o Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan fez progressos gerais em várias áreas, entre elas: purificação da proliferação do vírus da COVID-19, avaliação da titulação de anticorpos neutralizantes do plasma de pacientes recuperados, avaliação dos efeitos dos desinfetantes, avaliação do estabelecimento de modelos experimentais e medicamentos de anticorpos de animais não primatas, desenvolvimento de vacinas inativadas e ensaios de proteção animal. Até o momento, nossas ações englobaram técnicas padronizadas de proliferação e inativação de vírus, lançamento de novos desinfetantes, avaliação da inativação do vírus da COVID-19, modelagem de infecções em macacos rhesus e avaliações de medicamentos antivirais candidatos e de vacinas inativadas. O modelo estabelecido para animais também forneceu uma base fundamental para avaliar outros candidatos a medicamentos antivirais e vacinas.


Protocolos rigorosos adotados para evitar vazamentos de vírus


Science and Technology Daily: que medidas preventivas e protetoras a equipe toma ao entrar e sair do laboratório BSL-4, onde os controles de segurança biológica estão entre os mais rigorosos?


Yuan Zhiming: todos os que trabalham no laboratório BSL-4 devem passar por treinamento teórico e prático e passar por avaliações de competências físicas e psicológicas. Mesmo que passem nos testes de acreditação, não terão acesso até receberem a permissão de seus diretores.


Ao chegar à entrada do laboratório, as condições físicas básicas dos pesquisadores, como pressão arterial e temperatura corporal, são verificadas para garantir que estejam dentro dos limites adequados para trabalhar no laboratório. Durante todo o processo, apenas pesquisadores aprovados com as qualificações e acreditações necessárias podem destravar a porta que leva aos corredores de anéis do laboratório. É lá que eles executam as operações do laboratório, preenchem o formulário de entrada e saída e informam o centro de monitoramento.


Após o primeiro acesso, os pesquisadores entram no primeiro vestiário depois de abrir a segunda porta. Ali, vestem roupas de proteção descartáveis, verificam e vestem a roupa de proteção de pressão positiva, antes de conectá-la a um tubo respiratório. Depois desses procedimentos, passam por uma sala de banho de descontaminação antes de chegarem à sala principal do laboratório. Para garantir a biossegurança, não deve haver menos de dois funcionários de teste trabalhando ao mesmo tempo no laboratório. O acesso é negado a quem quer entrar sozinho no laboratório.


Geralmente, os pesquisadores saem do laboratório pelo mesmo caminho em que entram. Antes da saída dos pesquisadores, a desinfecção química e o enxágue com água devem ser feitos na sala de banho de descontaminação, e as roupas de proteção de pressão positiva devem ser completamente desinfetadas. Depois de tirar a roupa de proteção interna, todos devem tomar banho e, em seguida, vestir suas próprias roupas, sair do laboratório e preencher o formulário de registro de entrada e saída de pessoal do laboratório. Assim termina um turno do laboratório.


Dentro do laboratório, todo contato entre pesquisadores e o mundo exterior é feito por meio do centro de monitoramento. No caso de qualquer situação anormal, os pesquisadores entram em contato com o centro o mais rápido possível. Quando acontecem experimentos, o centro de monitoramento também recebe pessoal de segurança biológica e de suporte a equipamentos, para garantir que qualquer possível emergência seja tratada adequadamente.


Science and Technology Daily: em termos de prevenção de vazamentos de vírus do laboratório, quais tecnologias e medidas especiais de proteção o laboratório BSL-4 utiliza?


Yuan Zhiming: o núcleo do laboratório BSL-4 de Wuhan é cercado por paredes de aço inoxidável, formando uma estrutura "caixa dentro de uma caixa". O gabinete do laboratório principal garante resistência estrutural e estanqueidade suficientes para formar vedação estática. O selo dinâmico do laboratório utiliza tecnologia de pressão negativa para garantir um gradiente de pressão estrito e ordenado entre as áreas funcionais, impedindo efetivamente que qualquer ar contaminado por micro-organismos patogênicos infecciosos se espalhe para áreas com baixa probabilidade de contaminação e para o ambiente externo.


O ar emitido pelo laboratório é filtrado e descarregado por filtros de alta eficiência de duas etapas, para garantir a segurança das emissões. As águas residuais são descartadas após o tratamento sob alta temperatura em um sistema de tratamento de esgoto. Os resíduos poluídos do laboratório são submetidos a tratamento de alta temperatura e alta pressão por autoclaves de porta dupla e, em seguida, são removidos com segurança e entregues a uma unidade central de descarte de resíduos médicos com as qualificações correspondentes para descarte. Sempre que os funcionários passam pelos canais de entrada e saída, suas roupas de proteção de pressão positiva são desinfetadas quimicamente, usando os chuveiros químicos, para garantir a segurança dos canais de passagem. As medidas de proteção técnica acima garantem que os vírus dentro do laboratório não possam escapar.


O laboratório não tem apenas instalações de segurança biológica de alto padrão, mas também um rigoroso sistema de gerenciamento de segurança biológica, incluindo uma série de documentos procedimentais e manuais de operação padrão em programas de pesquisa científica, pessoal, animais de laboratório, eliminação de resíduos e gerenciamento de materiais infecciosos. Isso garante que o laboratório funcione com segurança e eficiência. As instalações físicas do laboratório são testadas anualmente por uma organização terceirizada, e suas operações estão sujeitas à supervisão e avaliação do Serviço Nacional de Credenciamento da China para Avaliação da Conformidade, bem como a inspeções anuais pelas autoridades nacionais relevantes.


Science and Technology Daily: a pesquisa sobre o vírus da COVID-19 levará muito tempo. Que trabalho de acompanhamento será feito no futuro?


Guan Wuxiang: o WIV continuará a enfrentar as necessidades científicas e tecnológicas urgentes de manuseio rápido e resposta a emergências. Também fará pesquisas científicas e avanços nos testes de patógenos, desenvolvimento de medicamentos e vacinas antivirais, avaliação de títulos de anticorpos neutralizantes no plasma de pacientes recuperados e pesquisa de modelos animais e mecanismos patogênicos. 


Enfrentando a demanda de longo prazo pela prevenção e controle de doenças infecciosas, o Instituto continuará a conduzir pesquisa e desenvolvimento básicos em tecnologias de prevenção e controle nas áreas de biossegurança e saúde pública. Fornecerá também apoio científico e tecnológico e consultas para tomada de decisões, a fim de salvaguardar a biossegurança.


FONTE Science and Technology Daily

Para ver esta notícia sem o delay contrate um dos produtos Broadcast e veja todos os conteúdos em tempo real.

MAIS NOTÍCIAS

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos