Política
13/10/2021 08:28

Exclusivo: Deputados que indicaram emendas cheque em branco admitem falha na transparência


Por Daniel Weterman e Lorenna Rodrigues

Brasília, 11/10/2021 - Deputados que indicaram emendas parlamentares por meio das chamadas transferências especiais admitem uma falha na fiscalização desses recursos. A adesão a esse modelo, no entanto, vem crescendo no Congresso e tem sido questionada por órgãos de controle.

Conforme o Broadcast Político revelou na semana passada, o Congresso Nacional deve assinar um "cheque em branco" de R$ 3,4 bilhões em emendas parlamentares para Estados e municípios em 2022, ano de eleições, sem fiscalização federal, apesar de alertas de especialistas e procuradores.

Ainda não há consenso entre técnicos sobre quem é o responsável por fazer um pente-fino nesses gastos. Em último caso, todo dinheiro desembolsado a Estados e municípios deve ser fiscalizado pelos tribunais locais.

"É um instrumento feito sob medida para captar votos. A possibilidade de controle se tornou muito pequena. É a crônica de uma morte anunciada e toda a máquina de controle está em xeque", afirmou o procurador Diogo Ringenberg, do Ministério Público de Contas de Santa Catarina, para quem o modelo representa um "retrocesso" e pode abrir caminho para novos escândalos de corrupção.

O deputado João Carlos Bacelar (PL-BA), por exemplo, colocou o máximo de recursos que podia, um total R$ 16,1 milhões, nessas emendas para beneficiar municípios da Bahia nos dois últimos anos. "Se a transferência especial não tem um selo de fiscalização, do outro lado esse alto selo de fiscalização e controle está levando à ineficiência na execução", argumentou. "Em todos os casos, eu exijo do prefeito em qual obra vai colocar, até para ter o meu ganho político, e eu quero participar da inauguração."

No Congresso, há quem adotou o modelo em 2021 e promete não repetir a dose no ano que vem. "Isso é muito sério, pegar o dinheiro, botar na mão do prefeito e não saber para onde vai", afirmou o deputado Zacharias Calil (DEM-GO), que indicou R$ 250 mil para o município de Goiás (GO). O acerto com a prefeitura local foi investir em infraestrutura turística.

Na transferência especial, no entanto, o município não é obrigado a cumprir o desejo do parlamentar. Calil relatou à reportagem que acionou o Ministério Público para investigar a aplicação e fará a cobrança ao prefeito. "Tudo que é relacionado a dinheiro fácil, você aumenta a corrupção", disse o parlamentar.

Contato: daniel.weterman@estadao.com; lorenna.cardoso@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2021 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos