Releases
27/10/2022 13:01

Outubro Rosa: campanha destaca a importância do diagnóstico precoce


Recife, PE --(DINO - 27 out, 2022) -
Um diagnóstico preciso, eficiente e no momento adequado pode transformar um prognóstico desfavorável, à primeira vista, numa perspectiva de futuro, numa espécie de sentença de vida. No Brasil, de cada nove mulheres, uma vai ter câncer de mama até os 80 anos. O entendimento de especialistas é que se trata de um risco universal, já que todas as mulheres têm mamas. Diante disso, é possível diminuir o medo e o preconceito, buscando, assim, os exames indispensáveis para detectar qualquer possibilidade da doença no estágio inicial. O diagnóstico precoce, feito através de mamografias e ultrassonografias, salva vidas. Se descoberto nos estágios iniciais, a chance de cura do câncer de mama chega a 95%.


No período do Outubro Rosa, o Centro Diagnóstico Lucilo Ávila, localizado no Recife, incentiva que mulheres priorizem a prevenção e o diagnóstico, além de divulgar informações e desfazer preconceitos em relação ao câncer de mama. A campanha de 2022, cujo tema é 'A Beleza de se cuidar', é a primeira depois dos reforços de vacinação contra a Covid-19. 


'Campanhas como o Outubro Rosa são fundamentais porque ampliam o alcance das informações, fortalecem a importância do rastreamento - que são os exames de rotina e precisam ser feitos antes mesmo de a mulher ter qualquer sintoma - buscando o diagnóstico da doença ainda no estágio inicial e, portanto, tratável, curável', avalia a médica radiologista Mirela Ávila, Diretora Médica do Lucilo Ávila. O rastreamento a que se refere a médica radiologista ganha ainda mais relevância neste 2022 por conta da pandemia da Covid-19, quando, no período anterior à vacinação, houve a interrupção de parte dos atendimentos médicos e tratamentos. 'Tivemos um hiato, uma paralisação provocada pela pandemia. O medo da contaminação por Covid-19 chegou a ser maior do que o medo de se detectar um câncer. Foi um período extremamente desafiador para nós, profissionais de saúde, e também para as pacientes', revela Mirela Ávila


Interrupção


A médica radiologista revela que algumas dessas pacientes chegaram a optar pela interrupção do tratamento; outras, com cirurgias marcadas, precisaram suspendê-las depois de diagnóstico positivo para a Covid-19. 'Tive uma paciente que todas as vezes que se internava para fazer a cirurgia, o PCR dela dava positivo. E tínhamos que suspender o procedimento, mesmo que fossem apenas partículas de vírus que positivavam o exame', lembra a radiologista. 


A dificuldade de acesso aos serviços médicos foi mais um obstáculo registrado no período pandêmico. 'Muitas mulheres não conseguiam nem o atendimento necessário, por conta de um sistema de saúde colapsado, levando a atrasos importantes no diagnóstico dos tumores', diz a radiologista. 'Nós, do Centro Diagnóstico Lucilo Ávila, temos dados que, entre março de 2020 e julho de 2021 - considerado o período mais crítico da pandemia - poucas pacientes assintomáticas procuraram fazer os exames. E, lá na frente, percebemos com clareza os prejuízos dessa interrupção'. 


A fragilidade emocional a que todos foram submetidos, aliada à baixa imunidade, teve reflexos diretos na saúde. 'Temos a percepção de que esse gatilho, disparado na pandemia, veio de forma avassaladora, com doenças muito agressivas, graves, muito além do que é visto normalmente. O câncer de mama tem, na sua grande maioria, um crescimento indolente, diferentemente do que observamos agora', revela Mirela Ávila. 


Real beleza


A aposta no tema da campanha do Outubro Rosa de 2022 pelo Centro Diagnósticos Lucilo Ávila, incentivando que as mulheres busquem, como prioridade, os cuidados com a saúde, por meio de tratamentos e exames que levem à prevenção, não significa que procedimentos estéticos, que provocam o aumento da autoestima, precisem ser deixados de lado. 'Mas a real beleza vai muito além do que é visual, e, portanto, do superficial. A plenitude do bem-estar, da beleza feminina, vem com a comprovação de um bom estado de saúde', enfatiza Mirela Ávila.


Números


O câncer de mama é a primeira causa de morte por câncer na população feminina em quase todas as regiões do Brasil, segundo dados atualizados do Instituto Nacional do Câncer. A exceção é a região Norte, com prevalência do câncer do colo do útero. Ainda segundo o Inca, a taxa de mortalidade por câncer de mama, referente à população mundial, foi 11,84 óbitos/100 mil mulheres, em 2020. No Brasil, as maiores taxas estão nas regiões Sudeste e Sul, com 12,64 e 12,79 óbitos/100 mil mulheres, respectivamente (INCA, 2022). Pernambuco tem uma taxa estimada de 12,35 óbitos para cada 100 mil mulheres.


Na mortalidade proporcional por câncer em mulheres, no período 2016-2020, os óbitos por câncer de mama ocupam o primeiro lugar no país, representando 16,3% do total. Em 2022, estima-se que ocorrerão 66.280 novos casos da doença. Em dados percentuais, a mortalidade proporcional por câncer de mama é de 17,2% no Sudeste, 16,8% no Centro-Oeste, 15,6% no Nordeste e 15,5% no Sul. Lembrando ainda que a doença também acomete homens, mas com baixa incidência - eles representam cerca de 1% do total de casos.


Derrubando mitos


É importante enfatizar que apenas 15% das pacientes com diagnóstico de câncer de mama têm histórico familiar; 85% dos casos não têm qualquer relação com hereditariedade. 'O tecido mamário, em si, é um tecido de risco', alerta a radiologista Mirela Ávila. 'Muitas pessoas, por medo ou desinformação, evitam o assunto e acabam atrasando o diagnóstico', avalia. Ela reitera que quanto mais cedo a descoberta, mais chances para o êxito do tratamento: 'a gente passa a ter uma possibilidade imensa de não apenas curar, mas também de não precisar de tratamentos mais agressivos', acrescenta Mirela Ávila.


Quando a descoberta se dá em estágios iniciais, a cura do câncer de mama chega a 95%. Mamografias, para as mulheres com mais de 40 anos, e ultrassonografia, em pacientes mais jovens, devem ser utilizadas na busca por um diagnóstico precoce. E, mesmo em diagnósticos positivos, dependendo do caso, a quimioterapia pode até nem ser necessária, resultando num tratamento mais brando, com a preservação da mama, e uma qualidade de vida muito melhor. 'É sobre perspectivas reais de vida que lidamos quando nos deparamos com diagnósticos precoces,' define a radiologista Mirela Ávila.





Website: http://www.luciloavila.com.br

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso