Releases
22/01/2019 16:51

Receita Federal publica parecer normativo sobre conceito de insumos para PIS e à COFINS: como funciona?


Curitiba, PR--(DINO - 22 jan, 2019) -
A Receita Federal do Brasil publicou, no fim de dezembro de 2018, o Parecer Normativo Cosit nº 5, que reúne os principais resultados decorrentes da deliberação proferida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), no julgamento do Recurso Especial nº 1.221.170. O parecer definiu que, para fins de crédito de PIS ou COFINS, as empresas podem considerar como insumo tudo o que for “essencial ou relevante para a sua atividade econômica”.

O parecer, traz exemplos diversificados sobre assuntos do que decidiu a Primeira Seção do STJ, sobre a sistemática dos recursos repetitivos. Isso inclui o seu acórdão com publicação realizada em abril de 2018 e com definições que surgem para o conceito de insumos do PIS e da COFINS, no que se refere à questão da apuração de créditos e de sua não cumulatividade. E vem justamente no contexto para sanar dúvidas do contribuinte com relação a este acórdão.

No início do referido documento, a Receita Federal faz uma análise geral da tese do STJ e chega à conclusão do que devem ser considerados insumos os bens e serviços que componham o processo de produção que são destinados à venda ou à prestação de serviços a terceiros, desde que sejam “essenciais” a tais atividades ou, que sejam, ao menos, considerados, relevantes.

A partir disto, a Receita Federal enumera uma série de situações específicas e apresenta o seu posicionamento quanto ao enquadramento, ou não, no conceito de insumos geradores de créditos do PIS e da COFINS de diversos itens.

A intenção do parecer, conforme o texto do próprio ato normativo, é dar aplicação aos critérios estabelecidos pelo STJ para a definição do conceito de insumos aplicável ao PIS e à COFINS, além de fixar uma orientação geral e obrigatória a ser observada pelos agentes da Receita Federal nos procedimentos de fiscalização, compensação e ressarcimento, consulta e outros casos envolvendo esse tema.

Conceito de insumos

De acordo com o Parecer Normativo Cosit 5, o conceito de insumo para fins de apuração de créditos do PIS/COFINS deve ser considerado os critérios de essencialidade e relevância do bem e do serviço destinados ao processo produtivo, ou seja, neste parecer, a Receita Federal entendeu que os insumos só valem para a etapa da produção do bem ou da prestação do serviço, ficando de fora a possibilidade para gastos posteriores como embalagem e transportes, combustível e teste de qualidade, por exemplo.

No parecer, foi destacado o fato julgado como repetitivo no STJ que incluía uma indústria de alimentos. No julgamento, foram considerados como insumos itens relacionados com a industrialização, como água, combustível e materiais de limpeza. Foram excluídos aqueles cuja utilidade não é aplicada na atividade, como veículos, ferramentas, seguros, promoções e propagandas.

O parecer da Receita usa partes do próprio julgamento do STJ para formar seu entendimento. Então será essencial comprovar a natureza de insumo “relevante” ou “essencial”, como forma de o direito ao crédito do PIS e da COFINS.

Um ponto importante a ser destacado é o reconhecimento do “insumo sobre os insumos”, que passou a ser considerada a venda ou serviços de insumos prestados a terceiros. Neste item cabem vários exemplos de atividades que permitirão a apropriação de créditos, como destaque para qualquer tipo de prestação de serviço ou processo produtivo.

A Receita Federal justificou que a edição do Parecer Normativo se mostrou necessária porque a aplicação da decisão judicial a situações concretas algumas vezes pode ser complexa e eventualmente pode gerar conclusões divergentes. 

Assim, considerando que as diversas áreas da Receita Federal analisam regularmente a classificação de milhares de itens como insumo na legislação das mencionadas contribuições (em procedimentos de fiscalização, de compensação e ressarcimento, de consulta, etc.), tornou-se necessária a uniformização da interpretação acerca das principais categorias de itens analisadas administrativamente.

 A norma editada pela Receita é de aplicação obrigatória pelos agentes fiscais e serve como orientação para os contribuintes, para mensuração de riscos quando à tomada de determinados créditos.

O parecer completo pode ser acessado aqui


Gostou desse conteúdo? Então siga-nos em nossas redes sociais e acompanhe as nossas novidades sobre a todas as áreas do Direito.

joaopaulo@jpbalaban.adv.br

 

 



Website: http://www.jpbalaban.adv.br/

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos