Agência Minera Brasil
28/05/2024 06:00

projeto de fosfato em Irecê coloca a Bahia como principal produtor de fertilizantes no país


prc__Nacional





Com R$ 340 milhões de investimentos previsto a planta irá produzir 350 mil toneladas anuais de concentrado de fosfato para a fabricação de fertilizantes. A partir de 2026, a Bahia será responsável pela produção de 25% do insumo consumido no Norte e Nordeste do País.


A Parceria entre CBPM e Galvani possibilitou Investimento de R$ 340 milhões no empreendimento que vai gerar gerados 900 empregos. Durante lançamento da Pedra Fundamental da nova unidade industrial da Galvani em Irecê, na Bahia, na semana passada, o governador Jerônimo Rodrigues destacou a importância da parceria que segundo ele, vai dinamizar a economia do estado e reforçar a produção de alimentos.

O empreendimento teve apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), a planta será instalada em área da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), que articulou com diversos órgãos do estado para que o projeto saísse do papel e virasse realidade.

"Não adianta ter commodities se não gerarem riqueza para os baianos", disse o presidente da CBPM, Henrique Carballal, destacando que a CBPM está trabalhando para que a Bahia tenha uma mineração inclusiva e democrática, que traga benefícios reais à população.

Para o diretor-presidente da Galvani, Marcelo Silvestre, o projeto reforça o compromisso da empresa com o desenvolvimento econômico e social das regiões onde atua e evidencia o seu papel na promoção da segurança alimentar e no fortalecimento da agricultura regional.


A OESP não é(são) responsável(is) por erros, incorreções, atrasos ou quaisquer decisões tomadas por seus clientes com base nos Conteúdos ora disponibilizados, bem como tais Conteúdos não representam a opinião da OESP e são de inteira responsabilidade da WP Comunicação LTDA
Para ver esta notícia sem o delay contrate um dos produtos Broadcast e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso