Agência Minera Brasil
13/05/2024 14:05

A mineração no front da inovação tecnológica






No cenário atual, em que a sustentabilidade e a inovação são pautas de relevância mundial, a mineração é frequentemente percebida sob uma ótica restritiva e desfavorável. Todavia, contrariando as percepções tradicionais, a mineração contemporânea não apenas impulsiona o crescimento econômico, mas também desempenha um papel vital na transição para um futuro mais sustentável.



De fato, a mineração é um campo fértil para o desenvolvimento tecnológico. Cada nova mina representa um desafio único, exigindo soluções tecnológicas específicas e inovadoras. Essa constante demanda por inovação impulsiona avanços significativos em técnicas de mineração e estimula a pesquisa em áreas correlatas, como engenharia, geologia e ciências ambientais.


O estudo da viabilidade de exploração de uma mina frequentemente culmina na criação de tecnologias pioneiras. São inovações que otimizam a eficiência e a segurança nas operações de mineração, além de contribuírem para práticas mais sustentáveis e menos invasivas ao meio ambiente. Longe de ser um setor estagnado, a mineração emerge como um dos principais propulsores de desenvolvimento tecnológico, alimentando uma evolução constante em busca de métodos mais eficazes e responsáveis.

A realidade inovadora da mineração se reflete claramente em projetos desenvolvidos em Goiás e Minas Gerais. No solo goiano, a busca por novas tecnologias para a exploração de terras raras revela o potencial transformador do setor. Esses minerais, cruciais para a fabricação de imãs empregados em tecnologias limpas, são peças-chave na transição energética global. Em Catalão, Ouvidor e Arenópolis, jazidas ricas em titânio, que aguardam avanços tecnológicos para sua exploração, representam um potencial vasto, por ora não explorado devido aos desafios tecnológicos presentes.

Além disso, em municípios como Alto Horizonte, Barro Alto, Mara Rosa e Catalão, o impacto do setor de mineração é particularmente notável. Catalão, por exemplo, beneficiou-se enormemente da exploração de nióbio e fosfato, o que levou a um aumento significativo na qualidade de vida e na infraestrutura local. Da mesma forma, Alto Horizonte e Barro Alto viram transformações socioeconômicas substanciais devido à mineração de níquel, e Mara Rosa se destaca pelo desenvolvimento impulsionado pela exploração de ouro.

Em Minas Gerais, a exploração de lítio, componente fundamental para a produção de baterias de alta eficiência, posiciona-se na vanguarda tecnológica. O desenvolvimento dessas técnicas não apenas reforça o papel do Brasil no mercado global de minerais estratégicos, mas também contribui diretamente para tecnologias que facilitam a transição para fontes de energia renováveis.

O impacto da mineração estende-se além da inovação tecnológica; ele abrange também o progresso científico e o desenvolvimento econômico e social das comunidades. Cada projeto mineiro propicia oportunidades de empregos qualificados, capacitação, remuneração acima da média, desenvolvimento de infraestrutura e melhorias nas condições de vida local, atuando frequentemente como catalisadores de crescimento em regiões que, de outra forma, permaneceriam subdesenvolvidas.

Ademais, a mineração contribui significativamente para a economia nacional. A exportação de minerais estratégicos coloca o Brasil no mapa global como um importante fornecedor de recursos indispensáveis para indústrias de alta tecnologia. Este papel fortalece a posição econômica do país e impulsiona a pesquisa e a inovação em setores correlatos.

Ao reexaminarmos o papel da mineração na sociedade atual, torna-se evidente que este setor transcende sua imagem tradicional de simples extração de recursos. A atividade representa um epicentro de inovação tecnológica, progresso científico e desenvolvimento sustentável.

A visão de futuro para a mineração é clara: ela deve continuar a evoluir, integrando tecnologias emergentes e práticas sustentáveis, reforçando seu compromisso com o bem-estar ambiental e social. Este setor, crucial para o avanço do Brasil no cenário econômico global, tem um papel fundamental a desempenhar na transição para um futuro energético sustentável e na construção de uma sociedade mais equilibrada e inovadora.

No entanto, a discussão sobre o desenvolvimento de tecnologias na indústria para agregar valor e verticalizar a produção de minerais é crucial e merece uma atenção detalhada. Esse debate é essencial para entendermos os desafios que nos levarão a um melhor aproveitamento dos nossos recursos naturais de maneira sustentável e economicamente vantajosa, garantindo benefícios de longo prazo para o país e suas comunidades. Mas isso já é assunto para uma próxima e boa conversa.


Luiz Vessani é diretor da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa Mineral e mineração (ABPM), e presidente do Sindicato das Indústrias Extrativistas do Estado de Goiás e do Distrito Federal (SIEEG-DF).



A OESP não é(são) responsável(is) por erros, incorreções, atrasos ou quaisquer decisões tomadas por seus clientes com base nos Conteúdos ora disponibilizados, bem como tais Conteúdos não representam a opinião da OESP e são de inteira responsabilidade da WP Comunicação LTDA
Para ver esta notícia sem o delay contrate um dos produtos Broadcast e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso