PR Newswire Esportes
13/06/2024 06:00

Perda de produtividade por doença subtrai em média 3,5% do PIB dos países da América Latina



CIDADE DO MÉXICO, 13 de junho de 2024 /PRNewswire/ -- A Federação Latino-Americana da Indústria Farmacêutica (FIFARMA), em colaboração com o instituto alemão de pesquisa econômica WifOR, apresentou um relatório que avalia o impacto social e econômico de sete doenças em oito países latino-americanos.


O estudo estima o custo das perdas de produtividade e os impactos econômicos derivados dessas doenças na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, México e Peru. As doenças estudadas incluem condições cardiovasculares, malignidades, doença cardíaca isquêmica, diabetes tipo 2, infecções respiratórias inferiores, câncer de mama e enxaqueca.


Para determinar o impacto socioeconômico das doenças, o estudo considera dois cenários. Primeiro, a abordagem do capital humano onde se assume a perda insubstituível da produtividade de um indivíduo após a morte prematura e o segundo cenário a abordagem do custo de fricção onde, dentro de um ano, as tarefas do falecido são assumidas por outro indivíduo ou tecnologia. Nessa segunda premissa, o custo social e econômico das doenças representou, em média, 3,5% do PIB de cada país em 2022.


O estudo afirma que, durante o período 2018-2022, as economias latino-americanas deixaram de produzir 895 bilhões de dólares devido às perdas de produtividade causadas por essas doenças, o que representa US $ 2.145 per capita. Isso implica que todos com mais de 15 anos teriam que trabalhar mais 10,3 dias para compensar essas perdas de produtividade.


O resultado deste estudo propõe uma mudança de paradigma onde o orçamento da saúde não é considerado uma despesa, mas um investimento crucial para o crescimento econômico, prosperidade, inovação e bem-estar social, entendendo que a carga da doença não afeta apenas os indivíduos que sofrem com isso, mas também tem repercussões sociais e econômicas, impactos na produtividade do trabalho, custos de saúde e na qualidade de vida da população.


Dennis Ostwald, CEO da WifOR, comentou: "Este relatório destaca uma realidade inexplicável: a perda de produtividade devido a doenças está limitando significativamente o crescimento econômico e afetando negativamente o bem-estar social na América Latina. As doenças estudadas representam entre 2,3% e 4,7% do PIB nos países analisados sob o pressuposto de que o trabalho realizado por um trabalhador que morre prematuramente por alguma das doenças selecionadas. Nos casos em que não há essa substituição, a carga socioeconômica aumenta significativamente entre 3,8% e 13,4% do PIB. "


Além disso, a carga socioeconômica mais significativa é proveniente de neoplasias e doenças cardiovasculares, que representam cerca de 18,5% e 17,6% do PIB, respectivamente, sendo Argentina, Brasil e Chile os países mais afetados. Diabetes Mellitus tipo 2 e Enxaqueca são as duas doenças que, segundo o estudo, causam a maior perda de produtividade associada aos anos vividos com incapacidade.


Este relatório fornece recomendações-chave para os tomadores de decisão no setor público. É essencial adotar uma abordagem multidimensional que combine políticas públicas eficazes e colaboração intersetorial. A chave é fortalecer a coleta de dados locais para projetar intervenções precisas, desenvolver programas de prevenção e educação adaptados a setores específicos, facilitar o acesso a tratamentos inovadores e estabelecer mecanismos de monitoramento contínuo. Essas ações não apenas mitigarão o impacto econômico e social das doenças, mas também promoverão um desenvolvimento mais sustentável e equitativo na região.


Yaneth Giha, Diretor Executivo da FIFARMA concluiu: "Todos os atores do setor de saúde devem trabalhar juntos para reduzir esses efeitos nos países. São necessárias políticas públicas robustas, incluindo ações preventivas e educativas, bem como o acesso efetivo a tratamentos inovadores. Investir em saúde é vital, pois não só reduz os custos a longo prazo, mas também contribui para o crescimento econômico e o desenvolvimento social."


Saiba mais sobre o estudo no seguinte link: https://fifarma.org/impacto-socioeconomico-de-la-enfermedad/


Contato com a imprensa. Santiago Jimenez
Sjimenez@fifarma.org

Cision View original content:https://www.prnewswire.com/br/comunicados-para-a-imprensa/perda-de-produtividade-por-doenca-subtrai-em-media-3-5-do-pib-dos-paises-da-america-latina-302171264.html


FONTE FIFARMA



A OESP não é(são) responsável(is) por erros, incorreções, atrasos ou quaisquer decisões tomadas por seus clientes com base nos Conteúdos ora disponibilizados, bem como tais Conteúdos não representam a opinião da OESP e são de inteira responsabilidade da PR Newswire Ltda

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso