Política
14/01/2022 17:30

Exclusivo: Em ano eleitoral, poder do Centrão no Orçamento será trilionário


Por Daniel Weterman

Brasília, 14/01/2022 - O poder político do Centrão sobre o Orçamento em 2022, ano de eleições presidenciais, representará um controle praticamente trilionário, de acordo com levantamento do Broadcast Político nas despesas da União. A Casa Civil, chefiada pelo bloco, passará a dar aval e ter o poder de vetar as decisões do Ministério da Economia que fazem parte do dia a dia do governo federal na gestão dos recursos públicos.

São atos que envolvem desde a movimentação das despesas de um lugar para outro que não depende de aval do Congresso até o envio de projetos de lei solicitando mais recursos aos parlamentares.

Além disso, haverá controle sobre as alterações nas emendas parlamentares, quando há solicitação ou concordância dos congressistas, recursos esses que ainda ficarão blindados conforme a escolha dos deputados e senadores.

Um dos principais atos que passará pelo aval da Casa Civil é a abertura de créditos suplementares, ou seja, o reforço de despesas da União quando o governo identifica a necessidade de aumentar a quantidade de recursos em áreas específicas.

Em 2021, esse tipo de remanejamento somou R$ 704,2 bilhões. A maior parte do volume diz respeito a atos assinados diretamente pelo governo, que não passavam pela Casa Civil antes. Uma parcela menor, que somou R$ 35,3 bilhões em 2021, precisou de aprovação no Congresso.

Nos últimos anos, a lei orçamentária aumentou a flexibilidade para o governo fazer esse tipo de movimentação sem depender de aprovação no Legislativo. Por isso, o papel da Casa Civil no processo é considerado relevante para especialistas em contas públicas e técnicos da área orçamentária.

A pasta chefiada pelo ministro da Casa Civil também terá de se posicionar sobre os projetos orçamentários enviados pelo governo aos parlamentares, quando há a necessidade de reforço em programas dos ministérios.

No ano passado, todas as movimentações do Orçamento aumentaram as despesas em R$ 245,3 bilhões, incluindo R$ 141,5 bilhões em créditos extraordinários, usados para o combate à pandemia de covid-19 e outras ações emergenciais, fora do teto de gastos. Ministérios como Cidadania e Saúde foram os mais contemplados. Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia ficaram para trás.

O poder da Casa Civil não significa automaticamente aumento de despesas, pois os recursos ainda são submetidos às regras fiscais, mas o controle para definir o destino do dinheiro e quem sai ganhando ou perdendo na hora das movimentações. Com os créditos suplementares, outras despesas precisam ser canceladas como compensação.

Outra novidade apontada por técnicos com o decreto de Bolsonaro é o avanço da ala política sobre as despesas obrigatórias, que somarão R$ 1,954 trilhão, o que representa 93% do Orçamento da União. O governo é obrigado a realizar esses gastos, que envolvem aposentadorias e benefícios sociais, mas ao longo do ano normalmente faz remanejamentos ou pede a autorização para suplementar os recursos e garantir o pagamento.

O volume e o momento das autorizações de movimentação nas despesas obrigatórias passarão agora pela Casa Civil. Anteriormente, a digital do Centrão estava apenas nas despesas discricionárias, aquelas que o Executivo tem maior liberdade de gestão, incluindo as emendas parlamentares.

O controle político foi garantido por um decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Com isso, a pasta chefiada pelo ministro Ciro Nogueira passa a ser a chancelaria dos atos do Executivo no Orçamento.

No Brasil, uma situação parecida ocorreu entre 1992 e 1996, quando a Secretaria de Orçamento ficou vinculada ao Planalto. A diferença agora é o controle do Centrão nessa configuração, com Bolsonaro enfrentando queda na popularidade e atrás nas pesquisas de intenção de voto para outubro.

Contato: daniel.weterman@estadao.com

Para saber mais sobre o Broadcast Político, entre em contato com comercial.ae@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos