Política
11/08/2019 11:32

IFI/Salto: flexibilizar teto de gastos seria um retrocesso no equilíbrio das contas públicas


São Paulo, 11/08/2019 - O teto dos gastos é hoje a principal, se não a única, âncora fiscal brasileira. Conferir flexibilidade a este instrumento neste momento de crise das contas públicas representaria um retrocesso para o equilíbrio fiscal. A avaliação é do presidente do Instituto Fiscal Independente (IFI), Felipe Salto.

Sobre a reforma da Previdência, segundo o presidente do IFI, produzirá efeitos importantes sobre a trajetória da dívida em relação ao PIB, mas precisará ser complementada por outras ações que afetem os gastos públicos obrigatórios.

“As despesas discrionárias já representam valor inferior a 10% do orçamento primário total, de R$ 1.484 bilhão. Ou bem se alteram os gastos de pessoal, previdenciários e sociais ou acabaremos elevando novamente a carga tributária”, diz Salto.

Para ele, a reforma tributária é relevante para o crescimento do PIB e o quase consenso a respeito do Imposto de Valor Agregado (IVA) é uma notícia positiva. “A maioria dos países adotam imposto sobre valor agregado. Bem aplicado, é economicamente mais eficiente, não cumulativo e simples”, disse Salto, para quem o Brasil está atrasado em pelo menos 30 anos nessa matéria.

Contato: francisco.assis@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos