Economia & Mercados
13/09/2017 17:17

Goldman Sachs: impacto de Petros na Petrobras reduz fluxo de caixa em até 5,2%


Analistas do Goldman Sachs reviram para baixo as projeções financeiras da Petrobras nos exercícios de 2018 a 2021, devido à elevação das contribuições ao fundo de pensão da companhia, Petros, para ajudar reduzir o déficit bilionário da entidade.

De acordo com relatório elaborado por Bruno Pascon, Victor Hugo Menezes e Gabriel Francisco, o Free Cash Flow (FCF) da estatal cairá entre 3% e 5,2% das estimativas iniciais do banco para 2018 a 2021, levando em conta que as contribuições serão
decrescentes.

Eles estimam que em 2018 a Petrobras irá contribuir com R$ 1,489 bilhão; R$ 1,358 bilhão em 2019; R$ 1,238 bilhão em 2020 e R$ 1,129 bilhão em 2021. Para este ano, segundo apurou o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), a previsão de pagamento ao fundo de pensão pela Petrobras será de cerca de R$ 800 milhões.

O FCF da estatal seria então de R$ 27,4 bilhões em 2018; R$ 30,5 bilhões em 2019; R$ 35,9 bilhões em 2020; e R$ 20 bilhões em 2021, prevê o banco.

O Goldman Sachs manteve a recomendação de venda dos papéis da empresa e ressaltou que os principais riscos para a ação incluem a apreciação do FX e potenciais consideráveis em preços domésticos dos combustíveis.

Na terça, o fundo de pensão Petros informou que vai equacionar o déficit de 2015, de R$ 22,6 bilhões, cabendo à Petrobras o pagamento de R$ 12,8 bilhões pela holding e R$ 900 milhões à BR Distribuidora. O pagamento será feito pelo período de 18 anos.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos